Marinzeiro - O Site do Pico dos Marins

Piquete/SP -

Desde 26 jun 2008

Pico dos Marins

Links rápidos Mercado Livre

Barracas

Sacos de dormir

Mochilas cargueiras

Roupas para montanhismo

Equipamentos e Acessórios para montanhismo

Câmeras digitais

Notebooks e Netbooks

Como chegar

Trajeto de estradas e rodovias

O Pico dos Marins está localizado na cidade de Piquete/SP, próximo à divisa dos estados de Minas Gerais e São Paulo na Serra da Mantiqueira.

O acesso pelas estradas ao Pico dos Marins pode ser feito de duas formas, ambas através da BR - 459, Rodovia que liga Lorena/SP a Itajubá/MG. Ao final do percurso de estrada chega-se ao Acampamento Base Marins, onde você poderá deixar o carro, bater um papo com o simpático Milton, proprietário do local, informar-se sobre a quantidade de montanhistas nos Marins, tomar um café e, dependendo do horário que você chegar, poderá até almoçar. Se você está a pé, provavelmente terá consumido boa parte da água que levou, portanto, aproveite para se reabastecer porque não haverá mais água confiável pelo caminho.

  • Para quem vem de São Paulo ou Rio de Janeiro clique aqui
  • Para quem vem do Sul de Minas Gerais via Itajubá clique aqui

Para quem vem de São Paulo ou Rio de Janeiro:
O caminho mais curto é feito acessando a Estrada Viscinal José Rodrigues Ferreira logo após passar pela cidade de Piquete. Esta estrada leva à Vila dos Marins e à estrada que leva ao Município de Marmelópolis/MG. Apesar de possuir muitas curvas, as condições da estrada vicinal são muito boas, com asfalto até a Vila dos Marins. Após a vila a pavimentação é de bloquetes muito bem assentados e alguns trechos de terra. Em períodos de chuva os trechos de terra podem oferecer alguma dificuldade para o tráfego de veículos que não sejam de tração 4x4. Mantenha a câmera fotográfica à mão pois este trajeto é excelente para fotografias da paisagem rural e da imponência do conjunto montanhoso do Pico dos Marins que se ergue cada vez mais próximo à medida que se avança pela estrada e se mantém sempre à vista. O trajeto é uma longa e sinuosa subida que se acentua fortemente após o Bairro dos Marins, portanto é bom verificar o sistema de refrigeração do motor do carro.

O roteiro deste caminho é o seguinte:
Pela Rodovia Presidente Dutra (BR 116) saída 51, seguir pela BR 459, passar por Piquete e logo em seguida (800 metros) virar à direita para a Estrada Viscinal José Rodrigues Ferreira que dá acesso à Vila dos Marins. Quando chegar ao fim do asfalto, que é na saída da Vila dos Marins, suba à esquerda até o final da serra, passe o portal do município de Marmelópolis na divisa SP-MG, entre à direita e logo em seguida você chegará ao Acampamento Base Marins.

Veja o mapa:

As distâncias aproximadas deste roteiro são as seguintes:

  • Distância total: 40 km
  • Rodovia Pres. Dutra (saída 51) - Estrada Vicinal do Bairro dos Marins: 19 km
  • Estrada Vicinal do Bairro dos Marins: 20 km
  • Portal de entrada de Marmelópolis - Acampamento Base Marins: 1 km

Ainda para quem vem de São Paulo ou Rio de Janeiro outro roteiro de estrada é pela Rodovia Presidente Dutra (BR 116) saída 51, seguir pela BR 459 até a divisa entre São Paulo e Minas Gerais. Passar pelo posto da barreira fiscal e pelo trevo de Venceslau Brás, seguir mais 1.500 metros e entrar na estrada de terra atrás do ponto de ônibus do lado direito da estrada (há uma placa indicando a Fazenda Saiqui). Seguir por cerca de 14 Km na estrada e entrar no pequeno trevo indicando Pico dos Marins/Montanha.

Veja o mapa:

As distâncias aproximadas deste roteiro são as seguintes:

  • Distância total: 53 km
  • Rodovia Pres. Dutra (saída 51) - Saída para a estrada da Fazenda Saiqui: 38 km
  • Estrada para a Fazenda Saiqui - Trevo indicando Pico dos Marins/Montanha: 14 km
  • Trevo indicando Pico dos Marins/Montanha - Acampamento Base Marins: 1 km

Para quem vem do Sul de Minas Gerais via Itajubá:
Seguir pela Rodovia BR 459, passar o trevo de Delfim Moreira, seguir mais ou menos 6 km e entrar do lado esquerdo na estrada da Fazenda Saiqui junto ao ponto de ônibus (há uma placa indicando a Fazenda Saiqui). Seguir por cerca de 14 Km na estrada de terra e entrar no pequeno trevo indicando Pico dos Marins/Montanha. Somente após a Fazenda Saiqui (13 km de estrada de terra percorridos) será possível avistar o conjunto montanhoso do Pico dos Marins.

Veja o mapa:

As distâncias aproximadas deste roteiro são as seguintes:

  • Distância total: 21 km
  • Trevo de Delfim Moreira - Saída para a estrada da Fazenda Saiqui: 6 km
  • Estrada para a Fazenda Saiqui - Trevo indicando Pico dos Marins/Montanha: 14 km
  • Trevo indicando Pico dos Marins/Montanha - Acampamento Base Marins: 1 km

Trajeto de trilhas

A trilha correta para o Pico dos Marins é segura, ou seja, não expõe o excursinista a grandes riscos pois não se passa por beiras de abismos ou por áreas com risco de desabamento. Entretanto, a partir do Morro do Careca, é necessário cuidado e atenção ao caminhar e escalar pela trilha, pois o percurso até o cume do Pico dos Marins é tortuoso, acidentado, longo e cansativo e, a despeito das sinalizações existentes pelo caminho, há trechos que podem levar o excursionista inexperiente a adentrar por caminhos errados, levando-o a perder-se da trilha correta e a correr riscos de acidentes. Portanto, o autor, aconselha aqueles que vão pela primeira vez ao Pico dos Marins ou que tenham pouca experiência nessa caminhada, que o façam sob a companhia de um bom guia.

A descrição da trilha feita aqui neste site não garante que o excursionista sem experiência no Pico dos Marins tenha sucesso em atingir o cume e retornar com segurança pois, como foi dito acima, o caminho é tortuoso, acidentado e longo, exigindo do excursionista, no mínimo, experiência em navegação em ambientes naturais.

O objetivo desta descrição é apenas dar uma noção, ou seja, uma idéia de como é o caminho a ser percorrido e do que será visto ou observado ao longo da jornada. Vamos a ela...

Estando no Acampamento Base Marins informe-se com o Milton sobre a trilha que o levará até a estrada que conduz ao Morro do Careca. Se você está a pé, provavelmente terá consumido boa parte da água que levou, portanto, aproveite para se reabastecer porque não haverá mais água confiável e disponível pelo caminho exceto no Morro do Careca. Mochila nas costas e o primeiro trecho da longa caminhada (para quem veio de carro até aqui) rumo ao Pico dos Marins tem início. Até o Morro do Careca serão aproximadamente 50 minutos.

A trilha é um caminho estreito dentro de uma bela e refrescante mata. Observe e fotografe a diversidade da vegetação existente e aprecie em silêncio os sons da floresta. Atenção no terreno porque há árvores e galhos caídos no caminho e você poderá tropeçar ou bater a cabeça neles. Em aproximadamente 15 minutos você concluirá este pequeno e agradável trecho de trilha.

Ao sair desta 1ª trilha não vire à esquerda, siga em frente pela estrada de terra que o levará ao Morro do Careca. Alguns metros à frente nessa estrada passe pela porteira onde há uma placa com o aviso de que é proibido prosseguir de carro. Ao final dessa estrada, suba a trilha que vem a seguir e após uns 10 minutos você chegará no Morro do Careca.

Aproveite o local para descansar um pouco e para apreciar e fotografar a beleza da geografia da região do Vale do Paraíba - é possível ver as cidades de Piquete, Aparecida, Guaratinguetá e Lorena - e do Sul de Minas Gerais com suas montanhas verdejantes. O maciço do Pico dos Marins se agiganta diante do Morro do Careca pelo lado do Vale do Paraíba desafiando os aventureiros a enfrentar inúmeras subidas e escalaminhadas por rochedos, encostas e platôs até o seu majestoso cume.

Do morro do Careca tem-se uma vista magnífica e completa do complexo do Pico dos Marins. À direita do maciço vê-se o Vale do Paraíba e algumas de suas cidades. Na direção contrária ao maciço temos o Sul de Minas Gerais cujas montanhas escondem as cidades da região (Delfim Moreira, Itajubá, Marmelópolis, entre outras). A Serra da Mantiqueira se estende de leste a oeste, e a maior parte do trajeto de subida ao pico desde o Acampamento Base Marins é feito de oeste para leste.

Para prosseguir rumo aos Marins, estando de frente para o maciço, desça à esquerda em direção à uma pequena mata. Observe que na entrada da mata há uma área de acampamento e uma placa com avisos e orientações aos visitantes. Se prosseguirmos pela estrada que descemos do Morro do Careca em poucos metros encontraremos uma bifurcação em cujo final há é possível abastecer-se de água. Depois desse local só haverá água (contaminada) próximo ao cume dos Marins, após cerca de quatro ou cinco horas de caminhada. A próxima trilha para os Marins fica ao lado da placa e adentra a mata por cerca de 10 minutos de caminhada suave.

Após atravessar mais esse pequeno trecho de mata teremos uma longa e cansativa subida. A trilha é bem nítida e se desenvolve pelas cristas dos morros de forma bem acentuada. Ao longo dela há alguns mirantes onde pode-se parar para descansar e tirar belas fotos dos arredores. Se houver nuvens no nível do Morro do Careca estará montado então um cenário magnífico e de rara beleza.

Ao chegarmos ao primeiro maciço, passaremos por uma enorme pedra (Grande Tótem) que se equilibra sobre outra e seguiremos para a esquerda em direção à Pedra da Andorinha deixando a trilha de passar pelas cristas. Nesta condição o Pico dos Marins deixará de ser avistado e o montanhista terá de um lado paredões e maciços e de outro, geralmente à esquerda, as montanhas das Minas Gerais. O caminho correto a ser feito é marcado por tótens (pedras empilhadas) e por pinturas de faixas, setas ou marcas arredondadas nas rochas. Em alguns locais a trilha pode se bifurcar e levar a lugar algum ou se cruzar mais adiante. A observação atenta da trilha e das marcações ou tótens aliada ao conhecimento dos referenciais de localização geográfica evitarão que se adentre por locais de difícil progressão ou em áreas de risco como bordas de maciços.

Após escalar e contornar um segundo e último maciço que se coloca entre o sul de Minas Gerais e o Pico dos Marins voltaremos a avistar na direção sul o cume dos Marins. Deste ponto leva-se aproximadamente uma hora e meia até o topo. À leste de nossa posição há um morro rochoso e atrás dele o Pico do Marinsinho ou Pico Leste.

Já estamos a 2.250m de altitude e a aproximadamente uma hora e meia do cume do Pico dos Marins. Aqui já há alguns locais apropriados para acampar em caso de não ser possível chegar ao cume antes do anoitecer. Prosseguindo nossa caminhada, desça, é isso mesmo, desça, na direção dos Marins, mas não se chateie, ainda haverá muitas subidas e trepa pedras pela frente. Uns vinte minutos adiante passaremos pela nascente do Ribeirão Passa Quatro. Repare na placa de alerta que está no local indicando que a água não é apropriada para consumo e orientando sobre os cuidados a serem tomados para a melhoria de sua qualidade.

Do outro lado, próximas ao riozinho, há duas pequenas áreas de acampamento. Evite acampar nestes locais para evitar a contaminação da água. No último platô antes do cume também há áreas de acampamento e, já que tocamos no assunto, é prudente se informar no Acampamento Base Marins e com as pessoas que encontrar durante a subida e que retornam do cume sobre o número de pessoas ou barracas lá existentes para avaliar a viabilidade de se acampar ou não lá em cima. A capacidade do cume é de aproximadamente quinze barracas.

Ao chegar à base do cume dos Marins nos deparamos com um impressionante paredão com cerca de 150m de extensão e bastante íngreme. Daqui para cima é ter fé na aderência do calçado, engatar a tração nas quatro (pés e mãos), invocar a proteção de seu anjo da guarda e partir para o ataque final.

No cume a vista é de 360 graus. De leste para oeste temos o Pico do Itaguaré com a Serra Fina e a Pedra da Mina atrás dele, depois teremos as cidades de Cruzeiro, Cachoeira Paulista, Canas, Lorena, Guaratinguetá, Aparecida e Roseira. Repare que é possível ver trechos do rio Paraíba do Sul banhando algumas destas cidades. Mais próximo da Serra da Mantiqueira e a oeste vê-se a cidade de Piquete, município ao qual pertence o Pico dos Marins. À noroeste veremos o Morro do Careca (lembra-se dele?) e continuando o nosso giro panorâmico vislumbramos alguns dos maciços e algumas das (muitas!!!) pedras que encontramos pelo caminho. A nordeste temos o Pico do Marinsinho (também chamado de Pico Leste). Para terminar, em toda a região do Sul de Minas Gerais tudo o que se vê são as suas belas montanhas e a estrada que conduz aos municípios de Marmelópolis e Passa Quatro.


Resolução Mínima de 1024x768 — Site criado por Gerson Santos — Copyright © 2008-2012. Todos os direitos reservados.